Próxima participação de Xi nas reuniões da ONU mostra compromisso da China com multilateralismo

2020-09-16 13:32:59丨portuguese.xinhuanet.com

Beijing, 16 set (Xinhua) -- O presidente chinês, Xi Jinping, participará de reuniões de alto nível das Nações Unidas por videoconferência na próxima semana para se juntar aos líderes mundiais ao lidar com os desafios globais.

Este ano marca o 75º aniversário da fundação da organização com 193 países, criando a partir de 51 signatários, incluindo a China no fim da Segunda Guerra Mundial. Hoje o mundo está em outra conjuntura na história da humanidade, e os esforços devem ser redobrados para "salvar as gerações vindouras", como está consagrado na Carta da ONU.

MULTILATERALISMO AMEAÇADO

A Carta da ONU "trouxe regras e esperança para um mundo em ruínas", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao comemorar o nascimento da organização. Ela foi assinada em um momento em que os líderes mundiais sentiam uma forte necessidade de um mecanismo que ajudasse a trazer a paz e impedir guerras futuras, o que só seria possível se todas as nações trabalhassem juntas por meio de uma organização global.

No entanto, após décadas de globalização e integração, o mundo está enfrentando uma fragmentação cada vez maior em resposta a riscos e desafios salientes, devido ao retorno do unilateralismo, protecionismo, saída de tratados e práticas militares e econômicas de bullying.

A pandemia sem precedentes da COVID-19, que trouxe quase 1 milhão de mortes em todo o mundo e paralisou a economia global, é uma lembrança de um mundo em caos semelhante a 1945.

"Em 1945, a guerra mais destrutiva na história da humanidade terminou com o reconhecimento geral de que a humanidade nunca mais poderá permitir que tal devastação absoluta seja desencadeada por conflitos e conquistas nacionais, e que apenas uma organização multinacional pode fornecer essa esperança, se não for garantida", disse Robert Lawrence Kuhn, presidente da Fundação Kuhn com sede em Los Angeles e Nova York.

"Sempre há diferenças entre as nações. O melhor caminho é descobrir como desenvolver oportunidades coletivas e, ao mesmo tempo, controlar o conflito potencial por contato constante", disse ele.

Advertindo sobre os perigos nas relações internacionais na era das comunicações globais instantâneas e das redes sociais inflamadas, Kuhn sugeriu que a geopolítica global precisa de organizações multinacionais e relações bilaterais fortes entre as nações.

"A ONU não pode ser a resposta completa, mas certamente é parte da resposta", disse ele.

CONSCIÊNCIA GLOBAL

Como membro fundador da ONU e membro permanente do Conselho de Segurança, a China tem honrado seus compromissos com os propósitos e princípios da Carta da ONU e tem defendido a ONU na resposta às ameaças globais e na busca pela paz e pelo desenvolvimento.

Em seu documento de posição sobre o 75º aniversário da ONU, a China reafirmou seus compromissos de salvaguardar o sistema de governança global centrado na ONU, as normas básicas das relações internacionais sustentadas pelos propósitos e princípios da Carta da ONU, a autoridade e a estatura da ONU e o papel central da ONU nos assuntos internacionais.

A voz da China ressoa com seus parceiros em todo o mundo.

Na segunda-feira, em uma reunião via link de vídeo com a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente do Conselho Europeu Charles Michel e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, Xi chegou a um consenso com os líderes da UE sobre a proteção do multilateralismo e a abordagem conjunta dos desafios globais.

Merkel, Michel e von der Leyen disseram que é imperativo que a Europa e a China fortaleçam a cooperação, salvaguardem conjuntamente o multilateralismo e resistam ao unilateralismo e ao protecionismo.

Comentando os resultados da reunião, Christine Bierre, editora-chefe da revista francesa Nouvelle Solidarite e especialista do Instituto Schiller France, disse que os líderes enviaram um sinal positivo sobre a salvaguarda da paz, estabilidade e prosperidade mundiais, demonstrando plenamente que a cooperação multilateral é a tendência dos tempos.

No cumprimento de suas responsabilidades, a China sempre mantém palavras e ações consistentes.

Beijing tem acoplado ativamente suas próprias metas e planos de desenvolvimento à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e obteve resultados notáveis em áreas como redução da pobreza e governança climática.

Além disso, a China também registrou uma força de prontidão com 8 mil homens e um esquadrão policial permanente com 300 membros para as missões de paz da ONU, e auxiliou outros países em desenvolvimento em 180 projetos de redução da pobreza, entre outras iniciativas e medidas apoiadas pela ONU, conforme Xi anunciou na reunião de cúpula de 2015 em comemoração aos 70 anos da organização.

"A China assumirá sua parcela de responsabilidade e continuará a desempenhar sua parte nesse esforço comum", disse Xi na sede da ONU há cinco anos.

"Devemos renovar nosso compromisso com os propósitos e princípios da Carta da ONU, construir um novo tipo de relações internacionais com uma cooperação na qual todos ganham e criar uma comunidade de futuro compartilhado para a humanidade", disse Xi.

ESPERANÇA NO FUTURO

"Meu desejo é que haja justiça e paz." Esta é uma das 250 mil vozes gravadas em todo o mundo na iniciativa de diálogo global da ONU, lançada para reunir a esperança, medo e ideias em todo o mundo. Ela faz parte dos eventos de comemoração da 75ª sessão da Assembleia Geral da ONU com o tema "O Futuro que Queremos, a ONU que Precisamos: Reafirmando Nosso Compromisso Coletivo com o Multilateralismo".

Espera-se que os líderes mundiais formem, em conjunto, soluções para saúde pública global, igualdade plena, ação climática, entre outros, assim como há 75 anos, quando os signatários se comprometeram a "preservar as gerações vindouras do flagelo da guerra, que por duas vezes, no espaço da nossa vida, trouxe sofrimentos indizíveis à humanidade, e a reafirmar a fé nos direitos fundamentais do homem... para promover o progresso social e melhores condições de vida dentro de uma liberdade ampla".

Tijjani Muhammad-Bande, presidente da 74ª Assembleia Geral da ONU, disse na segunda-feira que "o mais importante é continuar a sublinhar a importância da colaboração, do esforço multilateral".

"Esta é a forma para garantir não apenas a paz, mas também a prosperidade, que são objetivos muito importantes das Nações Unidas desde o início", disse ele à Xinhua em uma entrevista.

Assim como Xi disse em seu discurso de 2015, os objetivos de paz, desenvolvimento, equidade, justiça, democracia e liberdade "estão longe de ser alcançados". Mas a esperança reside na resposta coletiva do mundo.

Na véspera do século 21, para encorajar as pessoas de todo o mundo a enfrentar os desafios do novo milênio, o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan exortou todos os países a ficarem lado a lado.

"Mais do que nunca na história da humanidade, compartilhamos um destino comum. Só podemos dominá-lo se o enfrentarmos juntos. E é por isso, meus amigos, que temos as Nações Unidas", disse ele.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001393723531