Comentário: Revogar o status especial de Hong Kong não abalará a vontade de Beijing de garantir a segurança nacional

2020-06-30 19:25:43丨portuguese.xinhuanet.com

Por Wang Lei, da Xinhua

Beijing, 30 jun (Xinhua) -- O Departamento de Comércio dos Estados Unidos declarou na segunda-feira que revogou o "status especial" de Hong Kong e suspendeu o "tratamento preferencial" para a cidade chinesa, incluindo exceções de licença para exportação.

A mais recente ação de Washington, sob o disfarce de preocupação com a "autonomia" da cidade, é outro exemplo de interferência flagrante nos assuntos internos da China e mais uma vez expôs a natureza hegemônica da única superpotência do mundo.

Não é a primeira vez que a atual administração dos EUA tenta usar Hong Kong para impedir o desenvolvimento da China e conter o país asiático. Mesmo assim, Washington abalará de modo nenhum a determinação de Beijing em salvaguardar os interesses de segurança nacional da China.

Para começar, os decisores da Casa Branca devem perceber que não estão em posição de decidir se Hong Kong goza de um alto nível de autonomia.

Eles também devem perceber que o status especial de Hong Kong como território aduaneiro separado não é concedido ou presenteado por nenhum país específico, mas tem sua base legal nos acordos da Organização Mundial do Comércio (OMC) e, é protegido pela Lei Básica e reconhecido por outros membros da OMC.

Desde que retornou à China em 1997, Hong Kong, sob o princípio de "um país, dois sistemas" e um alto graus de autonomia, consolidou ainda mais seu status como um centro financeiro internacional e comercial global líder. Possui os portos comerciais livres mais movimentados do mundo e tornou-se o principal mercado de oferta pública inicial do mundo em 2018.

As grandes realizações econômicas e comerciais da metrópole devem ser atribuídas principalmente a uma combinação de fatores, incluindo suas vantagens exclusivas e o envolvimento ativo com o continente chinês, a segunda maior economia do mundo, assim como os esforços contínuos da China em sua reforma e abertura.

Além disso, os Estados Unidos têm sido um dos principais beneficiários de uma Hong Kong estável e próspera. E tem mais a perder ao revogar o status aduaneiro especial da cidade.

Negociando com Hong Kong, os EUA arrecadaram quase US$ 300 bilhões em superavit na última década, enquanto os produtos fabricados localmente com destino aos Estados Unidos representam apenas 0,1% do total de suas exportações.

Ao mesmo tempo, as exportações de bens e serviços dos EUA para Hong Kong, juntamente com o investimento direto de Hong Kong nos Estados Unidos, geraram mais de 210 mil empregos no país. Todos os planos de Washington de prejudicar o papel de Hong Kong como um centro financeiro global acabarão arruinando os enormes interesses dos Estados Unidos.

Mais importante ainda, Beijing não mudará seu plano de ação para acabar com o caos e a violência em Hong Kong, proteger a segurança nacional e preservar a sagrada integridade territorial e os direitos soberanos do país simplesmente por causa da pressão dos EUA.

A lei de segurança nacional que visa uma pequena minoria que comete atos de secessão, subversão e terrorismo, e tem o objetivo de proteger os direitos legítimos da grande maioria, incluindo os cidadãos e as empresas que cumprem a lei, não poderia ser melhor para salvaguardar a estabilidade e o desenvolvimento de Hong Kong a longo prazo.

De fato, Beijing está tentando proteger os interesses dos investidores estrangeiros em Hong Kong, incluindo os das empresas americanas. A turbulência desde junho do ano passado prejudicou seriamente a segurança da cidade e prejudicou seu ambiente de negócios sólido e estável.

Washington não deve subestimar ou julgar erroneamente a determinação inabalável de Beijing e do povo chinês em salvaguardar a soberania e a segurança da China, assim como seu forte compromisso em apoiar o desenvolvimento e a prosperidade de Hong Kong; caso contrário, os intervencionistas dos Estados Unidos somente darão um tiro no próprio pé.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001391782721