Comentário: Estigmatização do vírus por políticos dos EUA deve parar

2020-06-28 15:28:23丨portuguese.xinhuanet.com

Nova York, 27 jun (Xinhua) -- Quando a Organização Mundial da Saúde anunciou o nome oficial do novo coronavírus em fevereiro, a agência da ONU deixou claro que a designação não estigmatizava qualquer localização geográfica, animal, indivíduo ou grupo de pessoas.

Desde então, o nome COVID-19, que se refere a uma doença infecciosa mortal que se espalha pelo mundo, tem sido amplamente utilizado e aceito pela comunidade internacional.

A recente referência ao coronavírus como "gripe kung" por alguns políticos dos EUA, por outro lado, reflete intolerância total e é totalmente ultrajante para qualquer mente decente, pois a difamação tem claras implicações racistas e causa sérias ofensas ao povo asiático.

Há cerca de três meses, quando a COVID-19 começou sua disseminação desenfreada pelos Estados Unidos após semanas de inércia do governo federal, alguns altos funcionários dos EUA se referiram ao coronavírus como o "vírus da China" ou "vírus de Wuhan", num esforço para transferir a culpa da sua péssima administração do surto.

Eles foram forçados a retirar suas observações diante da condenação imediata do povo americano e de outros países.

A intenção oculta subjacente ao insulto racista desta vez foi para desviar a responsabilidade, novamente, como foi há três meses, diante de uma nova onda de casos de COVID-19 em todo o país desde o início de junho.

Sexta-feira mais de 40 mil novos casos foram notificados em um único dia, e foi o terceiro dia consecutivo com recordes de contágio, de acordo com estatísticas da Universidade Johns Hopkins.

Mas o discurso racista é difícil de vender.

Como disse a congressista Judy Chu, chefe do Caucus da Ásia-Pacífico no Congresso, o uso deliberado do termo racista "kung flu" para ganhos políticos é "repugnante e completamente inaceitável", porque a estigmatização gera xenofobia em relação aos asiáticos-americanos quando o país já está testemunhando um aumento alarmante na intolerância anti-asiática, até colocando a vida dos asiáticos nos país em risco.

Este termo racial depreciativo também surgiu em meio à perturbação social desencadeada pelo brutal assassinato de um afro-americano pela polícia de Minneapolis, para o qual a postura combativa da Casa Branca irritou afro-americanos e outros grupos étnicos.

Em vez de refletir sobre como aliviar a profunda discriminação racial contra as minorias no país, alguns políticos dos EUA, infelizmente, optaram por aumentar a turbulência com mais discursos racistas e divisórios, o que inevitavelmente aprofundará a separação social. Não sendo isso o que um governo responsável deveria fazer.

Desde o início da pandemia, os políticos em Washington têm seguido o caminho errado. Eles encobriram a ciência com a política e jogaram a responsabilidade para os outros após seu julgamento incorreto e o tratamento desastroso do surto de COVID-19 no país, que já resultou na perda de mais de 125 mil vidas.

A COVID-19 é mortal independentemente da cor ou etnia. Quando as piores previsões dos especialistas em saúde chegam uma após a outra, é hora dos políticos dos EUA perceberem os seus erros e tomarem novas medidas - parar de estigmatizar os outros seria um bom começo.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001391727851