Entrevista: Palestina espera por ativação de lei internacional contra intervenção dos EUA

2019-12-02 15:01:10丨portuguese.xinhuanet.com

Por Fatima AbdulKarim e Chen Lin

Ramala, 1 dez (Xinhua) - A Palestina espera a proteção das ferramentas de direito internacional à luz do apoio dos EUA a Israel, disse um diplomata palestino no domingo.

Em entrevista à Xinhua, Nasser al-Qudwa, membro do comitê central do movimento dominante do Fatah, disse que os Estados Unidos se alinharam com Israel e, portanto, se desqualificaram da mediação do processo de paz, se referindo às declarações feitas pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo, sobre a legalidade dos assentamentos israelenses na Cisjordânia.

"Qualquer plano ou ideia dos EUA não servirá à paz... os Estados Unidos serão contra o povo palestino e seus direitos, e capacitarão o lado israelense e permitirão que ele atinja seus objetivos", disse al-Qudwa, ex-representante da Organização de Libertação da Palestina na Organização das Nações Unidas.

Os Estados Unidos não apenas perderam a integridade para mediar o processo de paz, mas também se tornaram rivais no conflito, apoiando Israel, disse ele, explicando que os palestinos não "trabalharão com esta situação".

"A última declaração de Pompeo é um novo crime, e está de acordo com a política dos EUA em relação ao Oriente Médio... é uma declaração perigosa e coloca o governo dos EUA em desacordo com o direito internacional e a ordem mundial multipolar", desse ele.

No mês passado, Pompeo anunciou que o governo dos EUA não considerará mais os assentamentos de Israel na Cisjordânia "inconsistentes" com o direito internacional.

Os palestinos alertam que tal declaração encorajaria Israel a impor sua soberania sobre os assentamentos da Cisjordânia, que são considerados ilegais pelo direito internacional e pela maioria das potências mundiais.

Os receios aumentaram entre os palestinos, especialmente devido um anúncio anterior do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, no qual ele disse que anexaria o Vale do Jordão e iria impor a lei israelense sobre assentamentos na Cisjordânia ocupada como parte de sua campanha eleitoral em setembro.

"Devemos ativar as ferramentas que já temos sob o direito internacional, incluindo a opinião consultiva do Tribunal Internacional de Justiça sobre a legalidade da construção do muro por Israel no território ocupado, e tentar revivê-lo", disse al-Qudwa.

"Precisamos ser mais corajosos, na minha opinião, quando os EUA transferiram sua embaixada para Jerusalém, o projeto de resolução apresentado ao Conselho de Segurança da ONU deveria ter se concentrado mais na ação em si e na violação americana do direito internacional e Resoluções da ONU", disse al-Qudwa.

A Palestina ameaçou repetidamente recorrer à ONU, ao Tribunal Penal Internacional e ao Tribunal Internacional de Justiça contra violações israelenses em três áreas principais, sendo, a atividade de assentamentos israelense, a ofensiva militar israelense em Gaza e prisioneiros palestinos nas prisões israelenses.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001385997451