Histórico: China desempenha papel positivo na desnuclearização da Península Coreana, melhorando os laços intercoreanos: Moon

2019-01-11 09:55:34丨portuguese.xinhuanet.com

Seul, 10 de jan ( Xinhua) -- A China tem desempenhado um papel positivo na desnuclearização da península coreana e na melhoria das relações intercoreanas, disse o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em sua conferência de imprensa de Ano Novo na quinta-feira.

"Até agora, a China tem desempenhado um papel positivo em ajudar muito a desnuclearização da península coreana e na melhoria das relações intercoreanas", disse Moon na conferência de imprensa televisionada.

“A China”, disse Moon, “sempre desempenhou um papel positivo na ajuda às cúpulas entre a Coreia do Sul e a República Popular Democrática da Coreia (RPDC), e entre a RPDC e os Estados Unidos.”

As últimas negociações da cúpula entre os principais líderes da China e da RPDC estão previstas para desempenhar "um papel muito positivo" para o sucesso da segunda cúpula entre Kim e o presidente norte-americano Donald Trump, disse o presidente sul-coreano.

Kim e Trump realizaram a primeira cúpula entre a RPDC e os EUA em Singapura em junho de 2018. Os dois líderes expressaram seu desejo de encontrar-se novamente no futuro próximo.

Moon saudou a oferta do líder da RPDC Kim Jong Un para retomar os projetos de cooperação intercoreana que exigem o levantamento, ou, pelo menos, a flexibilização, das sanções internacionais contra a RPDC.

O Complexo Industrial de Kaesong e o projeto Mount Kumgang Tour foram benéficos tanto para a Coreia do Sul, quanto para a Coreia do Norte (RPDC). Eu saúdo a intenção da Coreia do Norte de retomar (as operações) sem qualquer condição e compensação", disse Moon.

Os comentários de Moon vieram em resposta à abertura que Kim fez durante o seu discurso de Ano Novo no início deste mês.

Kim disse que estava disposto a reabrir o parque industrial intercoreano na cidade fronteiriça da RPDC de Kaesong e retomar os passeios pelos Sul-Coreanos ao resort cênico da RPDC de Mount Kumgang "sem quaisquer condições prévias."

O Complexo Industrial de Kaesong foi fechado pela Coreia do Sul em fevereiro de 2016, após o quarto teste nuclear da RPDC no mês anterior.

O projeto de turismo para o Monte Kumgang, lançado em 1998, foi suspenso em 2008, quando um turista sul-coreano foi morto a tiro por um soldado da RPDC depois de alegadamente se aventurar numa zona fora dos limites.

Moon disse que pré-requisitos para a retomada dos dois projetos já foram cumpridos entre as duas Coreias, enquanto Kim elogiou as aberturas realizadas por ele mesmo.

O presidente prometeu cooperar com a comunidade internacional, incluindo os Estados Unidos, para resolver rapidamente a questão das sanções internacionais contra a RPDC.

Para resolver rapidamente a questão das sanções, Moon disse que a RPDC é obrigada a tomar ações ousadas de desnuclearização, enquanto os Estados Unidos são obrigados a tomar medidas correspondentes.

Moon disse que se a segunda cúpula RPDC-EUA for realizada em um futuro próximo, Kim e Trump tentariam resolver suas diferenças.

Em relação à promessa de Kim de fazer uma visita recíproca a Seul, Moon disse que a primeira viagem do líder da RPDC para a Coreia do Sul seria um ponto de virada histórico nas relações intercoreanas.

Moon esperava que a viagem de Kim para Seul acontecesse após a segunda cúpula de Kim com o presidente dos Estados Unidos.

Após seu terceiro encontro com Moon em Pyongyang, em setembro, Kim prometeu visitar Seul no futuro próximo. Se percebesse, ele se tornaria o primeiro líder da RPDC a visitar a Coreia do Sul desde que a península coreana foi deixada dividida com o armistício que terminou a guerra da Coreia 1950-1953.

Moon disse que a segunda cúpula da RPDC-Estados Unidos e a viagem de Kim a Seul seria um ponto de virada para solidificar firmemente a paz na Península, prometendo apertar sua guarda até que a promessa de desnuclearizar a península seja mantida e a paz seja totalmente institucionalizada.

Enquanto isso, Moon instou o Japão a assumir uma atitude humilde ao longo da história, referindo-se ao protesto do Japão contra a decisão da corte superior sobre o trabalho forçado pelo Japão Imperial durante a Segunda Guerra Mundial.

"O governo japonês deve respeitar a decisão do Poder judicial da Coreia (sul), embora tenha queixas. Não é uma atitude sábia para os políticos e líderes japoneses politizar e causar controvérsia sobre o assunto", disse Moon.

O Supremo Tribunal Sul-coreano decidiu em 2018 que duas empresas japonesas deveriam compensar as vítimas sul-coreanas que foram forçadas a trabalhar sem pagamento durante a guerra do Pacífico. A península coreana foi colonizada pelo Japão de 1910 a 1945.

O Japão protestou contra a decisão, alegando que a questão da era colonial foi resolvida através do acordo governo-a-governo de 1965 que normalizou os laços entre Seul e Tóquio. Foi em contraste com a decisão do Tribunal Supremo de Seul que reconheceu o direito dos indivíduos de reclamar por uma indenização.

Moon disse que apesar do acordo de 1965, questões não resolvidas continuaram, observando que essas questões não foram criadas pelo governo sul-coreano.

O líder sul-coreano disse que essas questões vieram da longa história do passado miserável, exortando o governo japonês a tomar uma atitude humilde ao longo da história.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001377358471