Ministro do Trabalho brasileiro protesta contra remoção do Ministério do Trabalho

2018-12-06 11:24:15丨portuguese.xinhuanet.com

Rio de Janeiro, 4 dez (Xinhua) -- O ministro do Trabalho do Brasil, Caio Vieira de Mello, criticou na terça-feira a decisão de remover o Ministério do Trabalho quando o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, tomar posse em janeiro.

Vieira de Mello disse que a remoção do Ministério do Trabalho vai destruir as atividades de fiscalização sobre crimes trabalhistas e dificultar a vida dos trabalhadores.

O gabinete de Bolsonaro confirmou nesta segunda-feira a remoção planejada do Ministério do Trabalho, que o recém-eleito presidente já havia anunciado logo após a eleição, mas recuou após muitas críticas.

O Ministério do Trabalho será desmantelado e suas funções serão divididas entre outros três gabinetes: os ministérios da justiça e segurança pública, economia e cidadania, de acordo com o gabinete de Bolsonaro.

Os atuais ministérios da Justiça e Sgurança Pública serão fundidos; o Ministério da Cidadania resultará da fusão dos ministérios do Desenvolvimento Social, Cultura e Esporte; e o Ministério da Economia reunirá os atuais ministérios de Finanças, Planejamento e Orçamento, assim como aos da Indústria e o Comércio Exterior.

O ministro do trabalho esperava que Bolsonaro reconsiderasse sua decisão. "O Ministério do Trabalho é um órgão histórico e fonte de direitos sociais", afirmou Vieira de Mello.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001376547671