Secretário de Estado dos EUA diz estar "muito esperançoso" para Cúpula Trump-Kim e promete aumentar a pressão sobre o Irã, Venezuela e Rússia

2018-06-11 20:32:06丨portuguese.xinhuanet.com

Washington, 23 mai (Xinhua) -- O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse nesta quarta-feira que está "muito esperançoso" com a cúpula entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da República Democrática da Coreia (RPDC), Kim Jong Un, que acontecerá conforme planejado em Singapura esta semana.

Enquanto testemunha perante a Comissão de Relações Exteriores da Câmara no Capitólio, Pompeo disse, em sua primeira aparição no Congresso desde que assumiu esse cargo, que a reunião, marcada para 12 de junho, acontecerá "de acordo com o presidente Kim".

"Temos grandes linhas do que cada nação está preparada para fazer", disse ele, observando que tem esperanças de que Trump possa convencer Kim a tomar uma decisão estratégica de desnuclearização.

Observando que "estamos indo em frente", ele disse que os Estados Unidos e a Coreia do Sul estão trabalhando para manter a cúpula de Singapura no caminho certo.

No entanto, Pompeo disse que um "mau acordo" com a RPDC "não é uma opção" para os Estados Unidos.

"Se o acordo certo não estiver em cima da mesa, vamos respeitosamente sair das próximas negociações sobre os programas nucleares e de mísseis de Pyongyang", disse ele, acrescentando que "a postura dos EUA não mudará até vermos passos confiáveis em direção à completa desnuclearização verificável e irreversível da Península da Coreia."

O principal diplomata dos EUA também acrescentou que Washington não pretende fazer concessões a Pyongyang durante a reunião Trump-Kim.

Trump disse na terça-feira que a cúpula planejada de Singapura com Kim "poderia não funcionar para 12 de junho" e "se isso não acontecer, talvez isso aconteça mais tarde. Talvez isso aconteça em um momento diferente. Vamos ver".

Quanto ao programa nuclear do Irã, Pompeo, representando o governo Trump, está pronto para trabalhar com outras nações para resolver o problema.

Ele disse que se encontrará com aliados em junho para discutir os próximos passos para deter a "ameaça" de Teerã.

"Várias discussões ocorreram abaixo do nível do ministro das Relações Exteriores", observou ele.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ordenou nesta terça-feira a expulsão do encarregado de negócios dos EUA, Todd Robinson, e de seu vice, Brian Naranjo, por encenarem "conspirações suficientes" contra seu governo.

Pompeo disse que os Estados Unidos vão reagir reciprocamente à expulsão, insinuando que vai expulsar também o principal diplomata da Venezuela em Washington.

Falando da suposta interferência da Rússia nas eleições dos EUA, Pompeo disse que os EUA não vão tolerar a tentativa da Rússia de interferir nas eleições legislativas dos EUA em 2018 e tomarão medidas "apropriadas" para conter as tentativas de Moscou.

No entanto, ele admitiu que Washington ainda não estabeleceu "dissuasão efetiva" para impedir a suposta intromissão russa.

Trump refutou até agora as interferências da Rússia nas eleições presidenciais de 2016, observando o apelo doméstico dos EUA por mais investigações, como uma "caça às bruxas" encenada pelos democratas devido a derrota nas eleições.

Ele acredita que essa investigação pretende ilegitimar sua presidência, de acordo com a mídia dos EUA. A Rússia negou repetidamente qualquer envolvimento nas eleições dos EUA.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001372467571