Populistas e direita da Itália querem Italexit e que BCE cancele bilhões em dívidas

2018-05-17 10:04:58丨portuguese.xinhuanet.com

Roma, 15 mai (Xinhua) -- O partido populista, Movimento 5 Estrelas, e a Liga, de direita, estão trabalhando em um programa conjunto do governo que inclui uma possível saída da zona do euro e pedindo ao Banco Central Europeu (BCE) que cancele bilhões da dívida pública italiana, informou o Huffington Post ontem à noite, publicando um documento preliminar de 39 páginas em seu site.

Os dois partidos receberam a maioria dos votos na última eleição geral da Itália e estiveram em negociações de formação do governo por quase uma semana.

"A governança econômica europeia (...) baseada no domínio do mercado e em regras estritas que são infundadas e impossíveis de sustentar do ponto de vista econômico e social, deve ser radicalmente modificada", diz o programa, ou "contrato" como os dois lados estão chamando, na página 35 do documento.

"Ao mesmo tempo, devemos introduzir procedimentos específicos (...) permitindo que os Estados membros recuem da união monetária, recuperando assim sua soberania monetária".

Na página 38, o documento diz que até o final de seu programa de flexibilização quantitativa (QE, quantitative easing) de compra de títulos, o BCE "deterá aproximadamente 250 bilhões de euros" (cerca de 297 bilhões de dólares) em BTPs (ou títulos italianos de 10 anos). Cancelá-los reduzirá a dívida pública em cerca de 10 pontos percentuais ”.

A dívida pública da Itália chegou a 2,302 trilhões de euros em março, quebrando a alta recorde de 2,3 trilhões de julho de 2017, informou o Banco da Itália nesta terça-feira.

Mais cedo, o chefe da Liga, Matteo Salvini, atacou a União Europeia (UE) após altos funcionários europeus afirmarem que o novo governo da Itália deveria continuar reduzindo sua dívida, respeitando as regras da UE e adotando uma política de imigração aberta.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, alertou que as regras fiscais da UE se aplicam a todos os Estados membros e a Comissão "não concederá exceções a ninguém", enquanto o comissário de migração da UE, Dimitris Avramopoulos, disse esperar que o novo governo da Itália não mude sua política de imigração, informou a agência de notícias ANSA.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001371855701