ONU pede que países em desenvolvimento considerem mudanças climáticas no planejamento urbano

2018-04-16 10:59:59丨portuguese.xinhuanet.com

Nairóbi, 13 abr (Xinhua) -- O Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (UN-Habitat) pediu aos países em desenvolvimento que incorporem as mudanças climáticas em seu planejamento urbano, na quinta-feira.

"Há necessidade de desenvolver uma urbanização sustentável que promova conectividade e infraestrutura eficiente de baixo carbono que estejam alinhados aos esforços de mitigação e adaptação", disse a diretora executiva da UN-Habitat, Maimunah Mohd Sharif, ao 10º Fórum Carbono África, em Nairóbi.

Com a crescente migração rural-urbana, é provável que as emissões de gases de efeito estufa aumentem, disse ela.

Sharif pediu a promulgação de medidas de adaptação para ajudar na construção de resiliência dentro do ambiente urbano e minimizar o impacto das mudanças climáticas globais.

Através da nova agenda urbana da ONU Habitat e do Acordo de Paris sobre Mudança Climática, a agência de habitação da ONU está pronta para apoiar os estados membros a implementar suas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs, sigla em inglês), disse Sharif.

Mais de dois terços - 113 dos 164 - das NDCs apresentadas mostram claras referências urbanas e conteúdo, disse ela.

"Esse desejo estabelece a relação entre a urbanização sustentável e a ação climática que precisa ser cumprida na realização do Acordo de Paris", acrescentou.

Sharif observou que é lamentável que a África tenha perdido a oportunidade durante o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), embora o continente sofra mais com as mudanças climáticas adversas.

Josefa Sacko, comissária para o Desenvolvimento Rural e Agricultura da Comissão da União Africana, disse na reunião que a África requer entre 250 milhões e 500 milhões de dólares para que os projetos de adaptação se tornem um sucesso.

A UA iniciou negociações com a Comissão Econômica das Nações Unidas para África (UNECA) e com o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) sobre como ajudar os países a cumprirem os seus planos da NDC, disse Sacko.

Devido às mudanças climáticas adversas, a agricultura - alicerce da maioria das populações do continente - está entrando em rápido colapso, devido às mudanças climáticas adversas, disse ela.

"Isso levou ao aumento da insegurança alimentar como resultado de frequentes falhas nas colheitas devido à variabilidade climática, chuvas inadequadas, chuvas muito tardias ou mais cedo do que o esperado", observou Sacko.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001371145721