Destaque: Semana da Moda de Lisboa se encerra com elegância

2018-03-12 14:55:46丨portuguese.xinhuanet.com

Por Jethro Soutar

Lisboa, 11 mar (Xinhua) -- A 50ª edição da Semana da Moda de Lisboa chegou ao fim, no domingo, com desfiles em dois locais situados dentro do parque central Eduardo VII.

A designer Olga Noronha lançou os shows do último dia com uma apresentação na enorme Estufa Fria.

"Eu não vim à estufa, a estufa veio até mim", ela brincou quando questionada sobre os desafios de adaptar seus projetos para se adequar ao local.

"Os organizadores me perguntaram se eu estaria interessada em fazer um show na Estufa Fria e percebi que com o que eu estava trabalhando seria um bom ajuste", disse ela. "Eu estava experimentando substâncias que não combinam, fazendo-as explodir ou estragar, então havia um link para a vida vegetal, a decomposição e a mutação".

O show apresentou modelos com itens feitos de plástico bobinado e borracha entortada.

"Eu gosto de trabalhar com materiais diferentes e eu estava tentando não combiná-los, mas produzir reações ruins", disse ela. "Eu os chamo de erros químicos".

Seu show foi certamente um dos mais originais do fim de semana. "É moda, é design, é desempenho, é estranho", disse ela. "Estou sempre tendo uma crise existencial profissional decidindo o que sou, mas estou feliz com isso", concluiu com uma risada.

A Semana da Moda de Lisboa, ou ModaLisboa, como é conhecida em português, é a principal vitrine para designers de moda portugueses, bem como fotógrafos de moda locais e designers de fotos.

O evento ocorre duas vezes por ano, a cada primavera e outono. O evento desta semana foi uma oportunidade para os designers apresentarem suas coleções Outono/ Inverno 2018/19.

Os desfiles de passarela começaram na sexta-feira com coleções, no Pavilhão Carlos Lopes, de designers competindo na cadeia New Blood do festival.

Filipe Augusto, designer de 25 anos do norte de Portugal, foi coroado como rei dos recém-chegados com uma coleção chamada "Colheita". Seus designs foram inspirados em roupas usadas por coletores de uvas, na região vinícola do Douro, de onde vem.

Os nomes dos letreiros preenchiam as últimas faixas da pista, com Ricardo Preto, Luís Carvalho e Nuno Gama, no topo da lista no sábado.

Preto, que participa da Semana da Moda de Lisboa pelo décimo segundo ano consecutivo, atraiu mais aplausos nos bastidores. Num show feminino, Preto percorreu a coleção como uma celebração de "mulheres fortes, determinadas, mas ao mesmo tempo românticas".

Tendo entrado no mercado asiático dois anos atrás, ele disse que se inspirou em seus novos clientes. Críticos elogiaram os desenhos simples, descrevendo-os como elegantes sem serem revolucionários.

Para comemorar a 50ª edição da Fashion Lisboa e o 25º aniversário de sua marca, Gama ofereceu uma retrospectiva de sua participação no evento com peças favoritas de 42 coleções que datam de 1987.

Carvalho, enquanto isso, fez com que seus modelos se apresentassem com perucas mop-top para uma coleção de inspiração dos anos 1960.

Filipe Faísca também se inspirou nos anos 60 para o seu show no domingo. Sua coleção teve uma vibração de amor livre, hippie e chamou a atenção quando todos os seus modelos desfilavam usando óculos de sol de três olhos.

Além dos shows, a semana é uma chance para os profissionais do setor se relacionarem. Daniel Pato estava entre eles, um jovem designer com seu próprio rótulo chamado WAVV Clothing.

"É ótimo ver toda a indústria se juntar, as diferentes ideias, profundidade e alcance", disse Pato.

"É uma boa atmosfera. Nós, designers mais novos, somos de uma geração diferente e esperamos que as pessoas estejam interessadas em ficar de olho no que estamos fazendo", disse ele. "Mas não somos vistos como competidores, então as pessoas tendem a ser amigáveis e solidárias".

No total, houve 21 shows na Estufa Fria e na pista de corrida Carlos Lopes, um local com uma capacidade para 1.300 pessoas. Os shows estavam quase cheios, apesar da forte chuva do lado de fora.

Os eventos eram apenas para convidados, sem desfiles de passarela abertos ao público. Na edição de outubro passado, 7 dos 23 desfiles foram abertos ao público, mas os organizadores disseram que não era possível desta vez por motivos logísticos e de segurança.

O evento ModaLisboa é parcialmente financiado pela Câmara Municipal de Lisboa e a condição desse financiamento é que o evento seja o mais acessível possível.

Para satisfazer este requisito, a ModaLisboa iniciou na quinta-feira uma série de painéis de discussão denominados "Conversas Rápidas", abertos ao público em geral.

O público em geral também pôde entrar na loja pop-up do Wonder Room, que apresenta o mais recente de artesanato, têxteis, joalharias e acessórios em Portugal, a galeria de fotos "Work Station" e um espaço de exposição focado em calçados portugueses.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001370335391